14 de outubro de 2012

O bota abaixo e a Revolta da Vacina


Rua do Mercado: exemplo de uma das estreitas vias
do Rio de Janeiro que resistiu ao "bota abaixo"
No início do século passado, a então capital federal, cidade do Rio de Janeiro, ainda apresentava características urbanas do período colonial. O centro era repleto de vielas e pequenas ruas, por onde escoava a produção nacional de café em direção ao porto e por onde deveria circular a mercadoria que chegava pelo mesmo. As ruas eram estreitas, nelas não seria possível passar um carro, andavam somente pessoas, carroças, carrinhos de mão. Esta formação urbana era consequência do crescimento desordenado da cidade.
Em 1763, o Rio de Janeiro tornou-se a capital da colônia. Em 1808, a família real chegou ao país junto da corte portuguesa. Foram aumentos populacionais significativos muito rapidamente. Ao mesmo tempo, milhares de desfavorecidos procuravam a cidade em busca de oportunidades. No início do século XX, suapopulação era de mais de 500 mil habitantes.
Exemplo de cortiço
Essa população mais pobre habitava justamente o centro da cidade. Suas moradias eram os antigos casarões, onde diversas famílias viviam juntas em situação de penúria e de pouca qualidade de vida. Estes prédios eram conhecidos como cortiços. Tal realidade está retratada no livro “O Cortiço” de Aluísio de Azevedo, lançado no fim do século XIX. Essa obra descreve a vida num destes lugares, não sem escorregar numa perspectiva preconceituosa: a de que o meio determina o comportamento humano. Assim, as pessoas que ali habitavam eram corrompidas pelo meio. Ou seja: os mais pobres tinham hábitos que poderiam desvirtuar os demais, como é o caso de Jerônimo, um português trabalhador que, ao chegar ao cortiço, transforma-se num malandro; ou de Pombinha, que era uma moça rica, pudica e mimada, perde seu pai, vai morar no cortiço e, ao fim, acaba se prostituindo.
O Rio de Janeiro ainda era um “antro” de doenças tropicais, como a febre amarela e a varíola. Acreditava-se que a acumulação de pessoas em espaços reduzidos era a causa dessas doenças. Os miseráveis do centro do Rio de Janeiro eram considerados culpados pelas autoridades de espalhar as enfermidades, de disseminar a violência e o banditismo. As elites acreditavam que eles deveriam ser retirados da região, para transformá-la numa região “limpa”, ou seja, própria para a burguesia local.
Quem colocou esse plano em prática foram o prefeito do Rio de Janeiro, Pereira Passos, e o presidente da República, Rodrigues Alves, a partir de 1901. A ideia era simples: derrubar os velhos casarões que serviam de cortiço, retirar os mais pobres, considerados pelas elites como “classes perigosas” do centro da cidade e abrir largas avenidas, dando fim às ruelas e pequenas vias do período colonial. Lembram de “O Cortiço”? Pois bem, a visão das elites da época era exatamente essa: a população mais necessitada era perigosa, composta de meliantes e, afinal, “o meio corrompe”. O objetivo ainda era possibilitar a circulação de pessoas e dificultar a formação de barricadas por parte da população mais pobre. A política de derrubar as velhas construções da capital federal foi conhecido popularmente como “bota abaixo”.
Pereira Passos
Rodrigues Alves

A ação baseou-se nas práticas do prefeito de Paris, Eugene Haussmann, trinta anos atrás. Na sua gestão, ele remodelou a capital francesa, pondo fim às antigas e estreitas ruas, palcos da Comuna de Paris, e das trincheiras montadas pelos populares, abrindo largos bulevares. Pereira Passos morava em Paris na época e viu esse processo de perto. Mas para onde essa população expulsa do centro da cidade foi? Alguns bairros mais periféricos já eram habitados pela classe média da época. A solução foi construir barracos nos abundantes morros, dando origem às atuais favelas. Como se vê, o problema é antigo, causado pelas próprias autoridades cariocas.
As demolições começaram em fevereiro de 1904. Em novembro do mesmo ano, foi imposta a vacinação obrigatória contra a varíola. Era o estopim: a maioria do povo pertencente à classe menos favorecida se revoltou contra a determinação. Em geral, os agentes da vacinação eram truculentos, invadindo as residências e aplicando as vacinas muitas vezes a força. Várias ruas da cidade foram tomadas pelos amotinados. Foi o movimento conhecido como Revolta da Vacina. Claro que foi massacrado pela repressão do governo de Rodrigues Alves.
Bonde virado por
amotinados durante
a Revolta da Vacina
A rigor foi uma rebelião contra os excessos cometidos pelas autoridades contra uma população carente e necessitada. Por muitos anos, ao invés de auxílio, essa população só ganhou reprimendas e se viu prejudicada. A vacina foi somente a gota d’água, a causa imediata da revolta.

Bibliografia:
BENCHIMOL, Jaime. “Reforma urbana e Revolta da Vacina na cidade do Rio de Janeiro”. in: FERREIRA, Jorge. e DELGADO, Lucília de Almeida Neves. O Brasil Republicano. Vol.1 O tempo do liberalismo excludente. Da proclamação da República à Revolução de 1930. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003.
SEVCENKO, Nicolau. A Revolta da Vacina: mentes insanas em corpos rebeldes. São Paulo, Ed. Scipione, 1997.


Fonte: Blog História é vida


P.S.: A atual novela das 18h, da Globo, Lado a Lado, tem a história ambientada neste período (primeira década do séc. XX) 

1 comentários:

comprar curtidas disse...

Muito bom o post amei !!